Artigo - MINHA CRIANÇA É A FÚRIA EM PESSOA!

Meu filho tem agido, constantemente, de forma extremada?

Grita muito, zanga-se e chora com frequência?

Ele pode estar com dificuldade de regular suas emoções!

Para regular isso, ele precisa terum ambiente familiar que o ajude a identificar situações e emoções de forma autêntica, sem se sentir julgado ou punido por expressar o que sente.

Para tornar a sua casa um ambiente saudável, é importante que você esteja atento para fornecer, o tempo todo, pistas de como o seu filho reage a determinadas situações e as consequências dessas reações. Por exemplo:
-“Meu filho, você está bravo com a mamãe porque eu não deixei você brincar lá fora, por isso, chutou seu carrinho?
É natural que fique bravo afinal, eu não deixei você fazer o que queria, mas chutar o seu carrinho vai me fazer mudar de ideia?
Não, além disso, deixará a mamãe chateada e criará mais um problema para você: um carrinho quebrado.
Agora que está mais calmo, guarde o brinquedo que chutou e faça o que estou lhe pedindo”.

Sua reação mostrou para a criança que:
1) Ajudou a identificar o sentimento que estava por trás da situação, mostrando que é natural que sinta raiva, mas que a forma como expressou a raiva trouxe consequências que não são boas para ela.
2) Fala também dos sentimentos como mãe e que, mesmo chateada, foi capaz de se manter firme sem perder a paciência e sem perder o cuidado, ensinando à criança a necessidade de adequar os sentimentos desagradáveis às suas necessidades.

Agora, podemos imaginar outro panorama, um ambiente que invalide seus sentimentos, que impeça a criança de perceber suas emoções e saber lidar com elas:
Suponhamos que na mesma situação acima, você fique brava com seu filho, grite ou puna de outra forma, como dar um castigo ou bater nele:
- “Você chutou seu carrinho. Você precisa aprender a se comportar direito. Vá já para o quarto e vai ficar sem ver televisão hoje!”.

Essa reação pode ter as seguintes consequências:
1) Não o ajudou a identificar quais os sentimentos estavam por trás de algo negado. Cada situação com o seu filho é uma oportunidade de aprendizado. Com você, ele irá aprender a lidar com situações de desagrado.
2) Ao reagir com raiva diante dele, você mostrou que pode resolver as situações com raiva, mas ele, não. No entanto, como a modalidade de aprendizado mais eficaz da criança é a imitação, é pouco provável que fique registrado o que você disse, mas sim, como reagiu.
3) Ao aplicar um castigo que não está relacionado ao contexto, prejudicou-o a perceber a real consequência de ter reagido daquela forma:
Se responderde forma extremada e inadequada frente às tentativas do seu filho em expressar suas emoções, você: pune por chorar ou ficar bravo, critica-o por gaguejar quando está nervoso ou trata os sentimentos dele de forma banal, sem levar a sério, sem atentar ao que está acontecendo e a forma que está reagindo, a relação entre sentir e agir tende a ficar muito simplificada e pobre. Quanto mais pobre for a sua observação em relação às emoções do seu filho, mais pobre será o repertório das emoções dele, tendendo a reagir sempre da mesma forma.

Em contrapartida, quanto mais coerência existir entre a situação e a sua reação emocional, mais você poderá ajudar a sua criança a reagir com mais naturalidade, aadaptar sentimentos ruins de forma que ela perceba vantagens e que não a cause mais problemas, auxiliando-o a organizar melhoras ideias e a comunicar melhor os sentimentos.

Perceba as consequências de um ambiente que invalide os sentimentos da criança:
1) Criança constantemente equivocada e insegura sobre as situações que provocam suas emoções, ações e pensamentos;
2) Como apresenta, constantemente, comportamentos exacerbados, a criança acaba se enquadrando no perfil de uma criança socialmente inadequada;
3) Dificuldade em tolerar o mal-estar, frustrações e tédio;
4) Dificuldades em desenvolver expectativas e objetivos realistas;
5) Falta de habilidade em identificar e controlar suas emoções;
6) A criança aprende que a base da birra ou do choro é que se consegue algo dos pais. Por outro lado, sente-se fraca ou desconhece o que precisa fazer para alcançar o que quer de forma adequada.

Espero tê-los ajudado a compreender um pouco mais sobre este universo infantil e suas emoções.
Foi uma pincelada, se quiser aprofundar mais neste assunto, mande um e-mail com suas dúvidas.
Também adoraria receber outras sugestões de temas.

Sou, Maria Fernanda Maia, psicóloga, atuo há mais de quinze anos com crianças, seus cuidadores e a escola.
Faço o convite para termos um olhar mais atento e carinhoso sobre esta fase e, desta forma, ajudar a criança a enfrentar seus medos, dificuldades e frustrações permitindo a ela uma percepção de si e do mundo mais saudável e feliz.
Atuo na construção de um ambiente familiar que permita uma relação de intimidade e de afeto que são base para o enfrentamento das exigências do mundo.
Especialista em Psicopedagogia, Neurociência e Análise do Comportamento.
Estudiosa das Terapias baseadas em Mindfulness e ACT - Terapia da Aceitação e Compromisso.