Artigo - EM BRIGA DE MAMÃE E PAPAI, NÃO HÁ FILHOS QUE ESCAPEM
Quem tem criança em casa sabe quanto seus olhinhos são atentos aos comportamentos dos adultos. Não somente os olhinhos, mas todos os sentidos estão aguçados à procura de um modelo.

Quando um casal vive em “pé de guerra”,coloca a criança diante de uma fonte intensa de estresse. A criança fica exposta à agressividade. Além perceber e sentir todo este “climão”, a criança se empenha em prestar atenção aos detalhes, afinal, é nessa troca dos pais que ela aprende como se comportar diante de situações parecidas, seja com outras crianças, seja com outros adultos de sua convivência.

É nestas horas que ...

o que se faz, como se faz, o que se fala e como se fala...

solta aos sentidos dela e fica registrado.

A criança, vivenciando esses momentos, aprende a manter o seu nível de agressividade em alta, reproduzindo comportamentos violentos ou retraindo-se a ponto de se permitir ser agredida.

É como se ela estivesse o tempo todo vivendo uma briga!

Brigas, na maioria das vezes, podem ser evitadas ou resolvidas através do diálogo.

Os pais precisam estar atentos às suas brigas. Elas, para o bem ou para o mal, são fonte de aprendizado para os seus filhos.A forma como lidam com seus conflitos, irá dizer muito do modo como seus filhos lidarão com os problemas deles.Dificilmente a criança aprenderá a argumentar e a dialogar quando for contrariada, se a forma que ela presencia é sempre com muita agressividade e pouco diálogo.

Uma das funções dos pais é ensinar seus filhos a regular suas emoções, e a melhor forma de ensinar isso éconcentrar-se nos momentos difíceis e de conflito: saber falar da sua raivaé uma forma de estabelecer diálogo -expressar sua raiva através de gritos e agressões é uma forma de acabar com ele.

Espero tê-los ajudado a compreender um pouco mais sobre este universo infantil e suas emoções.
Foi uma pincelada, se quiser aprofundar mais neste assunto, mande um e-mail com suas dúvidas.
Também adoraria receber outras sugestões de temas.

Sou, Maria Fernanda Maia, psicóloga, atuo há mais de quinze anos com crianças, seus cuidadores e a escola.
Faço o convite para termos um olhar mais atento e carinhoso sobre esta fase e, desta forma, ajudar a criança a enfrentar seus medos, dificuldades e frustrações permitindo a ela uma percepção de si e do mundo mais saudável e feliz.
Atuo na construção de um ambiente familiar que permita uma relação de intimidade e de afeto que são base para o enfrentamento das exigências do mundo.
Especialista em Psicopedagogia, Neurociência e Análise do Comportamento.
Estudiosa das Terapias baseadas em Mindfulness e ACT - Terapia da Aceitação e Compromisso.